Chiama

Bem pertoSiena, Firenze, Montalcino, Montepulciano, Pienza...

Colle di Val d'Elsa

Colle Val d'Elsa encontra-se ao norte da Província de Siena, na estrada que liga Siena a Florença. O vilarejo é dividido entre borgo velho, também chamado de Colle Alta, e a parte nova, a Colle Baixo. Do alto do Borgo velho podemos admirar um antigo castelo, um panorama belíssimo com vista de todo o vale. Desde a época dos etruscos sempre foi considerada mais industrializada que os vilarejos ao redor, explorada até mesmo pelos romanos. Desde sempre foi palco de batalhas entre Guelfos e Guibelinos, e somente nos anos1500 terá uma nova diocese e com a explosão econômica da indústira do ferro e do vidro, a cidade se transforma e inicia a grande tradição do artesanato do cristal. Também conhecida como a “cidade do cristal” em Colle di Val d’Elsa estão presentes muitas botegas, lojinhas todas diferentes entre si, e um museu dedicado ao artesanato dos cristais preciosos.


Monteriggioni

Ogrande poeta Dante assim declama a respeito desta pequena aldeia: “...come sulla cerchia tonda/Monteriggion di torri si corona…” ritornando á poesia dos dias de hoje, por fora, cavalcando a super-estrada Siena| Florença, é de se admirar as suas muralhas. É uma aldeia medieval fortificada, que reune em seu interior um mundo oval, fora dos tempos atuais. Não é de se estranhar se você por ali encontrar pessoas vestidas de época medieval, principlamente no mês de maio quando o vilarejo celebra uma festa medieval pelas ruas e ao redor do castelo. Naturalmente é possível degustar os produtos da típicos da região e verificar a excelente hospitalidade dos cidadãos.


Pienza

Oarquiteto que a projetou na época renascimental queria que fosse a “cidade ideal”: Pienza é uma pequena jóia... real. O seu nome deve-se ao Papa Pio II e no centro do pequeno e tranquilo vilarejo encontra-se o seu palácio do lado da Catedral. Atrás da Catedral “Duomo”, magistralmente visível andando pela Santa Catarina e parando no Castelo, vemos a Val d’Orcia com suas aldeias ao redor e de frente o Monte Amiata. Canta-se uma poesia local: "...distesa su dolce collina/ti fanno i cipressi corona/armigeri di una regina/dalla struggente beltà...".


Montepulciano

Entraremos pela Porta Gracciano no centro histórico do vilarejo e subiremos ainda mais pela sodcies estradinhas desta pequena cidade. Al-i encontraremos de uma parte edifícios e casas históricas e igrejas ou simples angulos ricos de arte. Se a caminhada nos deu um pouco de sede, poderemos beber quem sabe não uma simples bebida, mais uma taça do vinho nobre local, o Vino Nobile di Montepulciano, famoso em todo o mundo. Chegaremos a Grande Praça, Piazza Grande, onde se encontram o Palazzo pubblico e a Catedral “Duomo”. Se a spernas ainda nos sustenta, lá em cima da torre: um magnífioc panorama aliviará nossos olhos.


Montalcino

Vilarejo construido em cima de uma colina entre vales. Em posição estratégica, foi no passado centro de muitos e importantes acontecimentos históricos. Na idade medieval teve o seu máximo fulgor. A fortaleza, as muralhas e as torres presentes neste vilarejo representam a finalidade defensiva pela qual foi contruida. Hoje conservam-se o fascínio de cada particularidade de tempos antigos. Não podemos esquecer a produção local!... óleo de azeite e vinho, o Brunello de Montalcino: para quem conhece vinhos é como dizer “Ferrari” oara os apaxonados de automobilismo.


Siena

Terra de fervorosa rivalidades e competições. Cada ano a cidade e os bairros ao redor revivem com a paixão dos torneios heranças da Idade medieval. Corridas por velhos vículos. Praças e suas multidões. Heróis cavaleios que combatem juntos pelo Pálio de Siena. Além de tudo, o Pálio è a negação daquilo que pode ser considerado consumo folclorístico, muito pelo contrário, é uma autêntica festa do povo. Uma competição de se perder o fôlego e a garganta. Vem celebrada a cada 2 de julho e 16 de agosto na Praça do Campo em Siena.


Firenze

Florença foi por muitos anos o berço da cultura e da arte, onde nascerai os maiores artistas do renasciemento e de toda a história da humanidade. O patrimônio artístico é infinito: os museus (Uffizi, Pitti, Bargello, Archeologico, di Arte Moderna, dell'Opera, del Duomo); as bibliotecas, as academias ( della Crusca, Cimento, Colombaria) e os jardins (Cascine, Boboli). Os monumentos religiosos como a catedral “o Duomo Santa Maria del Fiore” construido com a imensa cúpula do Brunelleschi e do Campanile de Giotto, o batistério com as portas bronzeas de Ghiberti e de Andrea Pisano; a Igreja de Santa Maria Novella; a Igreja Santa Croce, na qual encontram-se as tombas dos grandes: Machiavelli, Michelangelo, Galileo, Alfieri, Foscolo, Rossini; a Igreja de San Lorenzo con as sacristias do Brunelleschi (velha) e do Michelangelo (nova). A aquitetura é expressão de obras grandiosas, quais Palazzo Vecchio, a “loggia dell'Orcagna”, o “Spedale degli Innocenti (Brunelleschi)”, “os palácios Medici”, Pitti (galleria de pintura) e o “Ponte Vecchio”, caratterístico pela sua dupla fila di botegas, desde 1500 exclusivamente dos ourives.


trivago il motore di ricerca hotel
Hotel con recensioni su HolidayCheck


2014award winner gold







Partner My Tuscan Experience